Good Morning, Doctor!

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Sab 04 Jul 2015, 11:22

A noite passou mais rápido do que Aileen poderia ter imaginado, mas só foi dormir mesmo quando recebeu a SMS de Jason, dizendo que ele havia chegado em segurança.

SMS/Jason:

"Muito bem, Jay!
Agora descanse, ok?

Boa noite Smile"


Estava completamente alheia ao perigo que correram... Ok, talvez nem tanto, já que a todo momento... estavam sujeitos aos mais variados riscos que não eram possíveis de se prever. Ou quase.

O celular despertou sete e meia e ela ainda ficou enrolando um pouco na cama, sentindo-se cansada. Mas tinha uma consulta marcada às nove horas com Ethan para finalmente tirar aquele gesso. Afastando a preguiça, ela se levantou e tomou um banho rápido, apenas para despertar mesmo, porque sabia o quanto era atrapalhada e não queria chegar atrasada. Além disso, aproveitaria para obter notícias de Natalhie...

Não demorou muito no banheiro, mas era como se o tempo estivesse voando. Estava procurando uma blusa específica no armário quando a mão esbarrou em algo... Aileen sentiu o coração apertar, mas um sorrisinho logo apareceu aos lábios. Junto das roupas, ela também pegou o objeto.

(...)

Quando o táxi parou em frente ao hospital, Aileen soltou um breve suspiro após pagar a corrida. Olhou de um lado para o outro, não vendo ninguém conhecido, imaginando que todos deveriam estar tirando a manhã livre para descansar ou resolver pendências, já que mais tarde teria a tal reunião. Durante o caminho, aproveitou para checar suas mensagens e assim que viu a da Gossip... Ok, ela chegou a ler o comecinho, mas a descartou antes de terminar, pois não queria estragar o seu humor que já não andava muito bom. Então, viu a outra que falava sobre a suspensão das aulas e comentários breves do que aconteceu no ginásio. Algumas meninas estavam falando sobre isso mais cedo, e ela não teve como não relacionar os fatos ao que estava acontecendo... Será que existia uma ligação? Ou seria um novo problema? O resto eram SMS's de suas colegas, e também broncas de Debra que cobravam até mesmo coisas que nem havia pedido ainda! Mas Aileen riu, já que realmente achava graça dos surtos da moça, embora também sejam assustadores.

Ui.

Guardou o celular na bolsa, deixando-o no silencioso.

Ela adorava listras, e estava usando uma camisa de mangas compridas intercalada entre branco e preto, com a gola e os punhos mais marcados e apertados. A saia era preta e de tecido mais encorpado, porém solto o suficiente para deslizar pelas coxas enquanto ela caminhava. Nos pés, botinhas num tom rosado escuro, mais fechado, e sem saltos. E a bolsa era um pouco maior, já que o outro par estava guardado dentro dela, pois felizmente Aileen precisaria do mesmo. Os fios negros estavam caídos por cima dos ombros, ondulados e macios, destacando ainda mais o tom escuro. Ela aproximou-se da recepção, cumprimentando a moça e dizendo que tinha um horário com o dr. Malarkey.

- Só um momento.

Ela telefonava para o rapaz, certamente para verificar se ele já estava disponível. Aileen puxou o óculos para cima da cabeça, deixando o rostinho suavemente pintado ainda mais exposto. Não gostava de usar maquiagem de manhã, apenas o básico para disfarçar a feiçãozinha sonolenta.

Roupa

Bolsa

- Srta. Donnelly, ele já vai atendê-la. No consultório XX, por favor.

Aileen agradeceu e seguiu até o local, não tendo dificuldade em achá-lo. Bateu na porta duas vezes e após a permissão, ela a abriu e entrou, sorrindo de forma doce para o doutor.

- Bom dia, Ethan! Nem acredito que finalmente vou tirar isso aqui... - apontou com o dedo indicador para a perna imobilizada e o sorriso aumentou quando ela o encarou.

Então, andou até ele, estendendo a delicada mão para cumprimentá-lo.

E sim, doutor... Era realmente uma bonita visão tão cedo.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Sab 04 Jul 2015, 12:53

Ethan tinha acabado de ver um último encaixa e teve cerca de dez minutos de descanso até a consulta de Aileen. Aproveitou para ler as últimas novidades. Deu uma risada baixa com a edição da Gossip, achando interessante seu nome ser indiretamente citado.

Poxa...Assim parece que ele era um pervertido depravado.

Valentina que estava se comportando como uma devassa. Com o Aaron.

Hihihihih..

Para! Nem pode zoar!

Também viu as outras fofocas, mas logo leu o que era realmente importante: o aviso sobre  a suspensão das aulas e seus motivos.

Passou a mão pelo rosto, franzindo um pouco as sobrancelhas e meneou negativamente.
Mandou uma mensagem para Valentina

“Você viu o que aconteceu no ginásio? Não é coincidência tendo em vista o que você comentou sobre o mapa que Aaron encontrou. Vamos dar uma passada lá depois?”

Assim que mandou a mensagem para Valentina, o telefone dele tocou, informando que sua paciente havia chegado.

Olhou para o relógio e ficou satisfeito com a pontualidade britânica.

Permitiu a entrada dela e se levantou. Sabia que Aileen ainda estava ligeiramente limitada por conta do gesso, então, queria ao menos ajuda-la, abrindo a porta.

Não foi apenas Ethan que teve uma bela visão nas primeiras horas da manhã. Ethan também era uma visão e tanta, mesmo que estivesse ligeiramente desleixado – quem não ficaria depois de tantas horas acordado?! Ele tinha conseguido tirar um cochilo e realizar a assepsia, mas não tinha recursos de maquiagem, e nem usava, para esconder as olheiras que se formavam em seus olhos. Também não tinha feito a barba, o que dava uma aparência mais desleixada.

Mas que mulher não gostava de barba por fazer?!


O cabelo, pelo menos, estava penteado para trás. Estava usando uma verde e uma calça jeans escura, além de sapatenis. E o jaleco impecavelmente branco por cima

[Roupa base. Faça as devidas alterações mentais]

 - Bom dia, Srtª Donnelly...

Deu um sorriso e a cumprimentou com um aperto de mão.

O sorriso dele era bastante bonito, mas tinha algo ali que não demonstrava humor. Não. Ele não era um sorriso encantador. Era um sorriso que mexia com a libido, porque tinha sempre um “que” de provocação. Como se ele fosse deliciosamente cínico até para sorrir.


- Finalmente a senhorita ganhará a liberdade! – Ele disse num tom bem humorado. – Sente-se, por favor.

Indicou a cadeira e deu a volta, arrastando a cadeira de rodinhas para perto da mesa. Era estranho ser consultado por alguém tão jovem. E Ethan também parecia hiperativo, como se nunca parasse de jogar. Digo, pensar.

Digitava rapidamente os dados dela na ficha que tinha no computador e virou-se para ela.

- Então, me diga. Como tem passado? – Suspirou. – Sentiu alguma dor na perna? Algum incomodo com os pontos? Tomou os remédios e fez os curativos como foi recomendado?

Lançou um olhar um pouco desconfiado para ela, arqueando de leve uma das sobrancelhas.

- Não minta, eu vou saber, Srtª Donnelly...

Sorriu de novo, cravando os olhos mel nos olhos azuis dela.


- Porque uma coisa eu vi. A senhorita não descansou essa perninha branca. O que eu mais vi foi a senhorita toda serelepe pelo campus. Até andando de moto, pelo que eu soube...

Ele quase riu nessa hora, mas apenas meneou negativamente.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Sab 04 Jul 2015, 23:01

O sorriso de Aileen ainda era amplo e doce, e, principalmente, sincero. Apesar das poucas vezes em que tiveram a oportunidade de conversar, Ethan sempre fora gentil e agradável. Mas Aileen... por mais angelical que fosse a sua essência, ainda assim era uma mulher e o dr. Malarkey... Hmmm... Além de jovem, também era absurdamente lindo. E algo mais...

Dentro daquele consultório, acontecia um encontro de opostos, não?

Enquanto Aileen cativava os outros com sua doçura e uma ingenuidade mais explícita na alma do que propriamente em suas atitudes, Ethan atraía justamente pelo 'perigo' que toda a sua postura sussurrava...

Como um convite...

O aperto dela era suave, ressaltando ainda mais a delicadeza da mão pequena e de unhas bem cuidadas, pintadas de nude.

Oh, sim... Já não sou a pessoa mais ágil do mundo, e com esse gesso... — balançou a cabeça, rindo — Nossa... É uma surpresa que minha falta de jeito não tenha piorado as coisas.

Fez um gesto positivo e sentou no lugar indicado, deixando a bolsa na cadeira ao lado. As mãos ficaram sobre o colo, o tronco retinho e os olhos azuis brilhantes fixos no rosto de Ethan.

Não era possível explicar o motivo de Aileen confiar no jovem médico. Talvez tivessem sido as circunstâncias em que tivera o primeiro contato com ele, a maneira que a ajudou, vai saber... Mas confiava.

Então ele fazia as típicas perguntas para Aileen, e antes da irlandesa responder, soltou um comentário final que a deixou ruborizada na mesma hora. Ela baixou o olhar, como uma criancinha pega numa travessura, e era simplesmente adorável.

Bem...

Ela começou, ainda evitando os olhares.

Senti algumas dores, mas nada insuportável... Os remédios me ajudaram muito. Pode ficar relaxado, doutor, fiz tudo direitinho, como você ordenou — soltou um riso e ergueu o rosto, novamente o olhando — Quanto ao fato de ficar de...

Interrompeu o ritmo dos pensamentos quando ele a encarou diretamente nos olhos.

Aileen engoliu em seco e desviou a atenção para qualquer outro ponto.

Eu... Eu...

Por fim, soltou uma risada nervosa e sentia—se uma tola por tal comportamento.

Só foi uma vez...

O olhar foi de canto para ele, acompanhado de um sorriso mais discreto e brincalhão.

E descansei a perna sim, eu juro!

Levantou a cabeça e cruzou os braços, fingindo aborrecimento ao formar um beicinho irritado.

E só veria a mensagem de Breanna quando terminasse ali, pois o aparelho estava para não tocar.

Só que ela não aguentou por muito tempo fingir a carranca e a risadinha escapou em meio aos lábios trancados.

Está tudo bem, posso te assegurar. Até mesmo os pontos... E olhe, os machucados do meu rosto e pescoço já estão praticamente curados... Você fez um bom trabalho, Ethan.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Sab 04 Jul 2015, 23:50

Em seu consultório, Ethan sempre buscava ter uma postura extremamente profissional. Mas era um pouco difícil manter dessas com alguém que, de certa forma, já conhecia até que bem. Ainda mais com a cabeça cheia de ideias.

Hipóteses.

Situações.

Sentimentos.

Os olhos mel de Ethan encontraram nos olhos de azuis de Aileen mais do que uma consulta agradável. Uma bela de uma oportunidade. Para que? Talvez as atitudes dele expliquem um pouco melhor ao longo do caminho.
Mas todo caminho tem um inicio.

E quando uma ideia começa a germinar na mente dele. Ainda mais uma ideia maldosa. Não há muitos limites para ele – se é que existe algum limite.

Isso não queria dizer que ele não podia ser sincero. E a risada que ele deu foi bastante sincera com o comentário sobre agilidade.


- Hahahahahaa...Pobrezinha.

O sorriso dele ficou em seus lábios por mais tempo do que seria considerado humano, sabe? Era desumano o que um sorriso e uma risada dada num timbre gostoso podiam causar à uma pessoa.

- Desculpa, mas foi engraçado.

Logo eles começaram a falar das possíveis dores e do fato dela não ter descansado tanto quanto deveria. E ter andado numa moto. Ouviu tudo com bastante paciência, mas o olhar dele deixava bem claro que ele não acreditava nas suas desculpas.

Ele chegou a dar um suspiro e sorrir de novo, meneando negativamente. Ouviu o elogio e concordou.

- Muito obrigado pela parte que me toca, mas... – Bateu com o lápis no caderno que tinha em mãos. – Como seu médico e, eu acho, amigo, preciso puxar a sua orelha, Srtª Donnelly.

Inclinou um pouco a cabeça para a frente.

- Amor deixa as pessoas com a cabeça muito oca. Como você subiu numa moto com a perna nesse estado? O seu namorado parece ser um cara bem legal e tal, mas pelos histórico, inteligência não é o forte dele. Seja o equilíbrio dessa balança, Srtª Donnelly.

Levantou-se e caminhou até ela. Parou atrás dela, apoiando as mãos em seus ombros.

- Foi um verdadeiro prazer ter cuidado de você, mas eu sou bem sincero quando digo que não quero vê-la de novo.

Deixou um suspense no ar.

- Não como minha paciente. Ainda mais ferida. Venha...

Fez um carinho de leve e indicou a maca que ficava atrás de uma divisória. Caminhou ao lado dela, amparando no que fosse preciso e a ajudou a sentar.

- Pode apoiar o seu pé aqui no degrau, porque preciso dar uma olhada nos pontos antes.

Indicou tudo bonitinho e colocou as luvas e uma mascara, mas ainda estava abaixado.

- Com licença.

Tocou no rosto dela, vendo que a cicatrização foi perfeita. Ele era meio perfeccionista nesse ponto.

- Posso ver o da cintura? 

Indicou e era um pedido implícito para que ela tirasse a blusa ou simplesmente levantasse, como ela preferisse.  Avaliou os pontos também e concordou.

- Nem é preciso retirar. Seu organismo já cuidou de tudo, cicatrização perfeita! – O toque só estava frio por conta da luva, mas ele sorriu pela noticia. Ficava orgulhoso de verdade – Pode colocar sua blusa de novo.

Umedeceu os lábios, contendo o pensamento impuro que teve.

- Eu fico feliz que aquela noite não deixe marcas de novo, Aileen. Elas são mais uma prova das consequências de um gesto... –Ergueu o dedo indicador e bateu de levinho no nariz dela cada silaba que falou – im-pen-sa-do.

Afastou-se um pouco e daria tempo para que ela respondesse a todas os “conselhos” que ele havia dado.

Inclusive quanto ao fato dela namorar ou não Jason.


Vamos lá, Ethan é um bom ouvinte também.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Dom 05 Jul 2015, 01:12

Deveria ser mesmo difícil ter uma atitude tão excessivamente profissional em certas situações, ainda mais com alguém como... ela. Aileen era uma garota mais retraída, só que também de jeitinho atrativo, pois por mais enrolada que fosse, era dócil e bondosa. E sua presença dava uma forte sensação de calmaria, o que conflitava com a realidade em seu interior... No final, todos usam máscaras. A diferença é que uns não se importam que as pessoas percebam, e já outros... a tratam como se fossem o segredo de suas vidas.

E realmente eram.

Por mais intimidante que a presença dele seja, Ethan tornava o ambiente o mais leve possível, sendo engraçado, charmoso e...

Por que sente travava nesse último adjetivo, Aileen?

Não o encontrava...

A risada dele a surpreendeu, tanto que a morena chegou a dar um pulinho sobre a cadeira, mas logo estava sorrindo também, achando graça naquela atitude repentina. Então vinha a bronca, e ela apenas concordava com a cabeça, consciente que tinha sido mesmo uma atitude imprudente e arriscada, mas sentia—se segura com Jason... Mesmo que a lógica não fizesse o menor sentido.

Só que Ethan entrava num ponto bem delicado, e observador como era, notaria que a feição dela ficou um tanto tristonha e... Era como se Aileen estivesse se sentindo culpada. Os lábios tremeram um pouco, como um espasmo e ela mordeu o inferior... Uma mania.

Não comentou nada num primeiro instante.

E logo estava sorrindo de novo, até que ele se levantou e a rodeou, colocando as mãos sobre seus ombros. Aileen virou um pouco a cabeça em sua direção e os olhos o encararam de baixo, sempre serenos e bondosos. Parecia confusa com o fato dele não desejar mais vê-la... Não te dói o coração ser tão malvado com uma mocinha indefesa como ela, dr. Malarkey? Que dó...

Um sorrisinho apareceu quando ele completou o comentário.

Espero que sim, Ethan... Acho que já me machuquei o suficiente por um tempo, né?

Acenou com o pedido e ficou de pé, caminhando até a maca e teve que aceitar a ajuda para subir. Passou as mãos pela saia, ajeitando—a sobre as coxas. Inclinou um pouco o rosto para que ele tivesse uma visão melhor. E com o toque, Ethan sentiria o quanto era delicado. Estava indo bem, até que...

O da cintura...? — deu uma gaguejada — Ah, claro... Sem problemas... Tudo bem... Só um minuto..

Ela tirou a camisa de dentro da saia e a puxou pela barra, erguendo—a até abaixo dos seios, e apenas de um lado, só que mesmo assim, era possível ver um pouco da renda do sutiã preto se revelando.

Assim... está bom?

Uma coisa era ele cuidar dela quando estava lânguida e dolorida, uma outra bem diferente era estando completamente consciente. Mantinha os olhos no teto enquanto ele tratava dos pontos, concluindo que estavam ótimos. Aileen suspirou, aliviada. Uma preocupação a menos. Consentiu diante da permissão e ajeitou a blusa. Ela não era malhada, nem nada do tipo, mesmo com traços mais avantajados. A cintura era fina e sinuosa e a barriga lisa, a pele muito clara, em todos os pontos... Era frágil, mas também provocante...

Pronto...

Sorriu no momento em que ele pressionava alguns toquezinhos em seu nariz. Novamente agiu como uma criança, crispando a boca e concordando.

Você tem razão...

Aileen olhou para baixo e encolheu os ombros. E aquele silêncio...

Ela o rasgou.

Eu e o Jason não estamos namorando. É uma situação complicada... — tocou o céu da boca com a ponta da língua — Hmmm... Gosto dele, é um menino muito bom e carinhoso. O problema é comigo... Que clichê, não é mesmo? — riu, mas não achava graça, não mais... — E até te pediria um remédio, doutor, se eu já não tivesse a certeza de que não irá funcionar — ela sorriu, só que era diferente agora...

Uma melancolia tomava conta do olhar meigo, destacando-se...

E era lindo, Ethan... A tristeza dela era linda, infelizmente.

Veja bem...

Também não era algo recente.

Mas concordo... — ponderou antes de prosseguir — O amor não parece uma atitude saudável...

Sorriu mais uma vez, dando de ombros em seguida.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Dom 05 Jul 2015, 01:45

Assim está ótimo, Aileen.

Assim está realmente bom.

E Ethan como um belíssimo manipulador e controlador dos próprios impulsos, não deixou que os olhos vacilassem. Que moral ele teria para conversar com você se fosse pego olhando para a renda preta de sua lingerie?

Não.

Ele é paciente, apesar de tudo. E prefere conquistar a confiança.

Já tinha percebido que Aileen tinha ficado num silencio constrangedor quando ele citou o termo “namorado”. Era engraçado quando Aileen negava qualquer tipo de envolvimento amoroso com o grandão. Afinal, ele provavelmente estava juntando dinheiro para o enxoval do casamento deles.

Mas Ethan ouvia. E depois de analisar os pontos dela, era chegada a hora de retirar o gesso. Ele tinha puxado um carrinho com um aparelho que lembrava muito o usado por marceneiros para moldar a madeira. Até porque, ele precisava serrar aquele gesso. Também tinha uma mistura de alicate e tesoura e um afastador.

Sim, ele usaria tudo.

Só que não agora.

Os olhos dele voltaram-se para Aileen quando ela rompeu o silencio.

Arqueou uma das sobrancelhas ao ouvir a primeira sentença.

- Não?

Posso gravar isso?

Shiu.

Ethan fez um bico no canto dos lábios e continuou de pé, em frente para Aileen enquanto deixava que ela desabafasse como queria. Umedeceu os lábios de novo e ele parecia tão solicito. Um excelente ouvinte. O melhor ombro amigo que ela podia encontrar.

Todo mundo fala que médicos também são psicólogos, de certa forma. Porque, às vezes, a doença do físico vem de um ferimento na alma.

E os olhos de Ethan estavam atentos, preocupados. Encarando Aileen e ouvindo aquelas palavras surpreendentes. Era quase como se dissesse “não acredito que você realmente se sinta assim, Aileen...”

- Eu não disse bem isso...

Ethan suspirou, descruzando os braços e enfiando nos bolsos do jaleco.

- Não vejo nada de errado com o amor, Srtª Donnelly. Não há sentimento mais nobre e bonito do que amar uma pessoa. O problema é que as pessoas confundem a complexidade desse sentimento e amam rápido e fácil demais assim como deixam de amar na mesma velocidade. Talvez a velocidade seja o problema de nossa geração.

Deu um sorriso meio jocoso.

- O amor é saudável. O que não é saudável são as expectativas em excesso. Esperar demais da outra pessoa, achar que pode muda-la e querer adivinhar quais são as ações seguintes de alguém. Para vocês, mulheres, o que não é saudável e achar que vão encontrar um príncipe encantado.

Meneou negativamente. Tirou as mãos do jaleco e se aproximou um pouco mais dela, fazendo questão que os olhos estivessem focados nos dela. Porque o que ele estava dizendo não era de todo mentira.

Ele era sincero em cada palavra.

Como sempre – ou quase sempre.

- Essa é a grande verdade. Não existem príncipes encantados, nem finais felizes. E eu não estou sendo uma pessoa ruim por dizer isso a você. Quer ver?

Tombou um pouco a cabeça.

- Principes encantados geram expectativas de perfeições que não existem nos humanos. Somos humanos, não santos. Temos defeitos, manias, problemas, dias ruins. Os príncipes sempre são perfeitos, compreensivos, tão perfeitos que são um porre. – Revirou os olhos, dando uma risada. – E finais felizes não existem porque o único fim que existe é a morte. Enquanto há vida, sempre será um inicio. Eu acredito em momento felizes e você tem que pegar esses momentos e abraça-los intensamente.

Ele tinha uma lábia filha da mãe. Era impossível não ser atingido pelas palavras bem escolhidas e as expressões tanto faciais quanto gestuais.

- Afinal, você não sabe o que acontece depois, não é mesmo? Ou quanto tempo esse momento vai durar...

Veja Barbara, por exemplo...

Mas não vamos falar dela. Ethan suspirou, deixando os ombros caírem.

- Eu não acho que o problema seja você. O problema é que você, talvez, não seja capaz ou tenha medo de não corresponder às expectativas que ele coloca em você. Ou...Ele não corresponda o que você quer e precisa no momento.

Estou errado?

Fez um bico no canto dos lábios e a encarou de novo.

- Mas o que eu estou falando, não é mesmo? Não vejo pecado em amar, é verdade, mas...Sei lá.

Você quer se deitar agora para tirarmos esse gesso ou deseja mais uma rodada de discussões comportamentais...?

Ele fará o que você quiser.


Afinal, você é a última paciente do dia, Aileen.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Dom 05 Jul 2015, 11:30

Ficou o observando puxar o carrinho com alguns objetos que poderiam ser considerados adequados para um assassinato, e Aileen chegou a rir desse pensamento, balançando a cabeça de forma discreta e enquanto ele estava de costas. Então, Ethan novamente a encarou e ela apenas cantou tudo para ele... ou quase tudo, claro. Por mais confiável que o doutor lhe parecesse, todos nós guardamos segredos sofridos, não é mesmo? Segredos que machucam e estão visíveis nos gestos mais particulares e na maneira de olhar... E ao mesmo tempo, parecem distantes... Muito, muito distantes...

Já esperava a réplica.

Agora era a vez dela o encarar, caladinha e escutando cada uma de suas palavras com completa atenção e um pouco de ansiedade, levando em conta a forma que o peito subia e descia, indicando uma grave mudança no ritmo da respiração. E quando os olhos se encontraram, ela os arregalou, surpresa com o fato de estar mais envolvida do que poderia imaginar. Prendeu o fôlego e umedeceu os lábios repentinamente secos.

Príncipe encantado...

Lembrou-se das duas menininhas que fizeram uma promessa...

Quando tudo ainda era puro e inocente.

Quando o conto de fadas só terminava feliz com o beijo do príncipe.

A certeza que eles precisavam para saber que a vida seria maravilhosa.

Ela pendeu a cabeça de leve para baixo quando Ethan terminou de falar e era como se ele tivesse soltado uma tempestade dentro de Aileen, revirando-a e comprimindo seu coração com a força de um furacão, que arrasta tudo, sem a menor piedade. Tanto que ela levou uma mão sobre o mesmo, sentindo as batidas e fechou os olhos antes de dizer qualquer coisa.

- Desculpe, Ethan... Mas discordo de você, em alguns pontos. Não vejo problema em amar rápido demais, mas sim com a segunda parte... - ela sorriu - Existem pessoas que se apaixonam de verdade num único olhar. É como se as almas se reconhecessem, e tenho certeza que é algo muito bonito. E sincero... - mantinha os olhos cerrados, e ela estava escondendo o segredo, Ethan - Não é a velocidade o problema da nossa geração, mas sim as próprias pessoas. Como foi ontem, como é hoje... - Aileen suspirou e finalmente voltou a encará-lo - E como será amanhã. O amor é um sentimento simples, mas sempre vamos complicá-lo. Porque somos tolos...

Mordeu o lábio de novo, ficando inquieta e o olhar perdido, não parecia enxergá-lo agora, doutor.

- Não é uma atitude saudável... Nunca foi saudável... Mas provavelmente seja apenas uma experiência particular. Suas palavras são perfeitas e lógicas, mas não convencem alguém que já está quebrado...

Balançou a cabeça.

- Jason é um cara maravilhoso... mas eu não consigo. Não ainda... - lembrou-se do que Mia lhe disse e concordou, como se ela estivesse aqui agora - Não é justo que eu o prenda num sentimento que talvez não chegue a acontecer. Por mais que a verdade doa, certamente será a minha atitude mais digna.

Sorriu de canto e os olhos brilharam.

- Mas você tem razão.

A expressão mudou drasticamente e os lindos olhos já não pareciam mais tão doces. Viu o que você fez, doutor? Não curou suas feridas, mas deu um basta em suas expectativas...

- Príncipes encantados não existem.

Ironicamente, ela deitou sobre a maca e os cabelos negros se espalharam com perfeição pelo travesseiro e observe, Ethan...

Aquela pele tão branca e macia, o rosto delicado e os olhos gentis... A beleza irreal...

E para finalizar a imagem, as mãos se entrelaçaram por cima da barriga.

Era a perfeita figura de uma princesa que está esperando o beijo do seu príncipe encantado...

Mas existe um detalhe.

Os olhos estão abertos, porque agora ela sabe que ele não vai vir.

Graças a você, doutor!

Furou uma nuvem e o anjo caiu...

Ela virou a cabeça de lado e o sorriso se alargou.

- Obrigada, Ethan... Acho que você me acordou...

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Dom 05 Jul 2015, 13:33

Ethan meneou negativamente quando ela falou sobre amar.

- Amor e paixão são coisas bem diferentes, Srtª Donnelly. O ideal é que os dois se comuniquem, mas nem sempre ocorre. Paixão envolve instintos, desejos, vontade. O amor é um sentimento mais profundo, carece de convivência, de pleno conhecimento; de paciência.


Ethan a encarou profundamente e levou a mão até o próprio peito.

- O desejo é insaciável e o amor basta por si só. Mas a principal diferença deles é o tempo de duração. Paixão tem um tempo finito. O amor não...

Calou-se novamente, deixando que ela continuasse com sua explanação. Ethan mordeu o lábio inferior, ponderando.

Do que ele estava tentando convencê-la mesmo? Que não existem príncipes encantados, nem finais felizes. Sobre amor, eles nunca chegariam a nenhuma conclusão ou denominador comum. Era uma questão ideológica, problema de cada um. Ele apenas havia exposto o que acreditava de verdade.


Logo Aileen falou sobre Jason de novo. E Ethan continuou a encará-la e a piscar o mínimo possível, sempre prestando atenção em suas palavras.

- Sim. Não é justo enganar alguém...

Olha quem falava.

Mas eu sou um demônio sincero!

Filho da puta!

- Por isso eu nunca escondo nada de ninguém. A pessoa só se arrisca se quiser, sabe?

Deu de ombros e ajudou Aileen a se deitar. Ela era um verdadeiro deleite aos olhos de qualquer pessoa. Mesmo sendo um anjo quebrado e que se segurava pelas pontas dos dedos no Paraiso para não cair, Aileen ainda era um anjo.
Ethan a observou por um instante e percorrendo os olhos por aquele corpo perfeito, a pele alva e...Deparou-se com o olhar quebrado.

Era curioso como se sentia orgulhoso.

Porque ele viu o instante que um anjo caiu.

E anjos caídos são tão mais belos...

Ele esboçou um sorriso no canto dos lábios e se aproximou dela, deixando o rosto perigosamente perto.

- E eu nem precisei beijá-la como um príncipe encantado, hm? – Deu uma risada.

E se afastou.

- Sinceramente acho que você deve parar de se martirizar. A vida é uma só e você tem que parar de tentar agradar os outros. Sabe qual é o pior pecado de todos?

Arqueou uma das sobrancelhas e escondeu os lábios atrás da máscara.

- Contrariar seus desejos. Por que você faz isso com o próprio corpo? Por conta da moralidade dos outros? A única pessoa que habita esse templo é você! O único que vai terminar infeliz ou feliz no fim do dia, é você! Então, desde que não machuque o próximo, desde que haja consentimento, por que você vai negar o que você deseja? O que você quer fazer? Vai andar sempre dentro dos costumes até morrer?

Revirou os olhos, meneando negativamente.

- Isso é desperdício de vida.

Ligou a maquina na tomada e ponderou por um instante.

- Você já tirou um gesso antes? Eu sei que esse barulho é meio perturbador, mas juro que não vou te machucar...

Ele deu uma risada e se preparou para serrá-la. Fez uma linha reta perfeita sobre o gesso dela, mas sem chegar nos dedinhos. O barulho parecia uma serra elétrica mesmo, mas Ethan tinha uma mão firme, precisa. Abriu o afastador e depois começou a cortar o algodão que havia por baixo.

Pouco a pouco a perna dela ficava livre de novo. A pele alva revelava e a saia...Por que ela tinha ido de saia mesmo?!

Depois falam que ele que é o capeta...Hunf.

A calcinha é preta de renda também?

Por que uma garota angelical tem uma calcinha preta e de renda?

É pior do que o vermelho.

Sério.

Liberou a perna dela e suspirou.

- Phew...Liberdade, Srtª Donnelly!

Tirou as luvas e levou a mão naturalmente quente e precisa até a perna dela. Amparou com bastante delicadeza abaixo do joelho dela, erguendo um pouco e retirou o gesso com a outra.

E por que você fez isso sem luvas, Ethan?

Eu realmente preciso explicar?

O toque já fala por si só.

Não são apenas meus olhos que transmitem calor. A eletricidade percorre meu corpo inteiro.

Sentiu, Aileen?


Eu juro que foi sem querer...

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Dom 05 Jul 2015, 17:27

Ela apenas te encarava com aquela expressão num misto de curiosidade e dor. E palmas para você... Pois ela estava acreditando em cada de suas palavras, se deixando envolver... Perdendo... Ao mesmo tempo que sua voz a atraía, tanto quanto suas frases de efeito, também a machucava, já que expunha uma realidade dura... Aileen sinceramente estava começando a crer cada vez mais que... o amor era uma emoção que ela não estava apta para sentir.

- Então... Acho que a minha chance já passou, doutor.

Quando ele falou sobre nunca esconder nada de ninguém, o sorriso de Aileen ganhou um tom de malícia, mas não era voltado exatamente ao sentido cru da palavra, só que mesmo assim era instigante.

- Pode não esconder, Ethan, mas... Você é todo misterioso e charmoso  - ela deu de ombros, estava sendo sincera... ambos estavam, não? - Fico imaginando quantos corações você já não partiu... Porque não é a ilusão que machuca, você sabe...

É a sinceridade.

E a sua dói mais fundo.

Porque ao final, qual é a sua culpa?

Desde o começo deixa suas intenções jogadas, tudo às claras...

Como disse, só arrisca quem quer, não é mesmo?

Onde está a crueldade nessa atitude de aparência tão nobre? Por que isso te tornaria o vilão?

...

Porque você sabe que elas vão ultrapassar seus próprios limites.

Sabe que elas vão vender a alma por um momento de felicidade...

Esses tais momentos que se deve aproveitar ao máximo.

Nesse instante mesmo... Você quer que Aileen sucumba, admita.

Ela percebeu quando seus olhos passaram pelo corpo delgado e tentador... Um anjo não deveria ser assim. Mas é aquela velha história...

Demônios gostam de brincar com os celestiais até vê-los despencar...

Por isso você apreciou a queda dela, Ethan.

Só existe um "porém"...

As asas não estavam quebradas.

Pena que Aileen não conseguia enxergar isso, pois a dor a cega...

Não permite que ela veja que existe uma fuga.

Quer tanto que alguém a levante, sem saber que basta acreditar em si mesma para novamente tocar o céu.

O rosto tão perto a fez prender o fôlego e as respirações se misturaram por um segundo que pareceu infinitamente longo.

Ela sorriu também, acordando do pequeno transe.

- Apenas o beijo do amor verdadeiro tem a capacidade de acordar a princesa...

O conselho dele arrancou um novo sorriso de Aileen, como se aquele pequeno gesto fosse a resposta para tudo.

- Não é questão de se preocupar em agradar os outros... Nossa, se fosse isso, era para eu já ter entrado em depressão - ela fez gestos negativos com a cabeça e riu - Mas entendo o que você quer dizer, e agradeço muito pelas palavras. Juro... Você me deu mais do que eu poderia imaginar.

O barulho da máquina a assustou e ela reagiu por impulso ao se encolher e quando ele perguntou se ela já tinha tirado gesso antes, Aileen negou.

- Tudo bem, confio em você...

Observou todo o processo, ávida para se livrar daquilo e quando viu a perna... Sim, estava vendo sua perna... Aileen soltou um suspiro de felicidade. Mas era uma sensação estranha, como se ela estivesse mais leve. Precisaria de tempo para se acostumar com a falta do gesso e certamente não poderia sair correndo feito uma atleta... Não que algum dia fosse fazer algo do tipo mesmo. Ia soltar uma piadinha, até que sentiu Ethan tocar a região próxima ao joelho, erguendo sua canela, e só então Aileen percebeu que foi uma péssima ideia escolher a saia, tanto que precisou levar as mãos até a peça, mantendo-a no lugar ou Ethan teria visto mais do que devia...

Ela o encarou e engoliu em seco.

Perceba algo também, doutor, já que parece tão interessado na perna dela...

Existe uma cicatriz longa e mais funda logo depois do joelho, alguns tons mais clara que a pele, mas era perceptível ao toque e você saberia reconhecer que uma marca antiga.

- Enfim... - sussurrou com a voz meio enrouquecida.

E ela puxou a perna com cuidado, se livrando do toque e repentinamente se sentou, o rosto ficando mais uma vez próximo do seu. Aileen esticou a mão e tocou sua bochecha, resvalando os dedos com cuidado, numa carícia muito rápida.

Aquela consulta já deixara de ser profissional, não é?

Por um breve instante, ela te deu a impressão que o beijaria...

Os lábios corados e aveludados...

Só que não.

Era um jeito de agradecer...

Ela jogou as pernas para fora da maca e o movimento afastou os rostos e ela olhou para frente, as mãos cravadas nas laterais do colchão, segurando-se com uma força que não parecia normal.

- Pode pegar minha bolsa, por favor? Nem acredito que poderei andar com calçados iguais novamente... - pendeu a cabeça de lado e piscou - Obrigada...

Certo... mas pelo quê, realmente?

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Dom 05 Jul 2015, 19:39

Ethan voltou a encará-la quando Aileen falou sobre seus mistérios e seus charmes.

- Logo eu? Eu sou um cara tão sincero...

Ele deu uma risada até que divertida e meneou negativamente. Voltou a encarar Aileen e tombou um pouco a cabeça.

- Inúmeros, Srtª Donnelly. Eu parei de contar há alguns anos. Mas eu sou uma pessoa que acredito no dever que temos com os nossos instintos e desejos. É verdade que a verdade dói, mas eu já experimentei a mentira uma vez. Não me orgulho do que fiz, porque quando pensei em contar a verdade, a pessoa descobriu.

Meneou negativamente.

- Eu não me arrependo. Foi bem melhor assim, não trocaria o que eu tenho hoje, sabe? E isso também não era amor. Era instinto, desejo de ter e conquistar uma pessoa. Como eu não acredito em finais felizes, eu gosto de aproveitar minhas felicidades momentâneas.

O que faz dele alguém insaciável. Porque se ele falou que o desejo era insaciável e ele está adora admitindo a você que ele 

é um homem de instintos, isso fazia dele um adicto do prazer.

Concorda?

E o amor?

O amor a gente deixa para lá.

Uma coisa é teorizar sobre o amor. Isso podemos fazer para sempre. Outra bem diferente é arrancar um nome dele. Isso ele nunca vai fazer. Ou admitir.

Ouviu o comentário sobre o amor verdadeiro e ele deu uma risada de novo.

- É mesmo? E se o amor verdadeiro não souber beijar direito ou tiver hálito de cebola...?

Ele fez uma boa piada, cortando aquele clima de sedução que Aileen estava tentando ditar.

O consultório é dele, gatinha.

Quem manda é ele.

E se você quer saber uma coisa....Ethan estava percebendo que havia se enganado sobre a sua pureza angelical.

Não que achasse que você fosse pura, porque já tinha percebido que seu tempo no paraíso estava contado. O que ele percebeu agora ao longo da consulta é que você realmente acreditava ser um anjo.

Mas por que?!

Ser demônio é tão mais divertido.

Você é uma succubus, Aileen. Uma succubus que tenta invadir o céu e usar asinhas brancas, mas...qual a necessidade disso?


Um demônio reconhece outro com bastante facilidade.

Ao contrário do que dizem, ele não é atraído apenas pela corrupção dos anjos. Ele também gosta de brincar com pessoas da mesma laia. Mas achava uma ofensa fingir o que era.

Por que as pessoas tinham medo de se entregar à sua natureza?

Isso era triste...

E você pode voar quando quiser.

Demonios também têm asas. Só são representadas como as de um morcego ou negras. Mas voam, se quiserem. E podem ir para qualquer lugar, sem dever nada ninguém.

Hahaha...Anjinha.

Que piada.

Logo Ethan se focou na remoção do gesso, conforme dito anteriormente. Tocou na perna dela e percebeu sim a cicatriz que havia ali. Ele franziu um pouco as sobrancelhas, achando aquilo curioso e a encarou por um instante.

Mas não perguntou.

O fato dele ter tirado as luvas não significava que tinha tirado a máscara também. Aileen pode ter se sentado, ficado bem perto do rosto dele. Mas ainda havia uma barreira ali.

Duas, na verdade.

A que ela colocava, como se não quisesse ser beijada. E a mascara branca.

Só não havia nada que a protegesse daqueles olhos que lembravam o miolo amarelo do fogo. Ele cerrou os olhos de novo, conseguindo ver a saliência de seus lábios. Sentia o breve, porém perceptível toque em sua bochecha e ele sorriu por trás da mascara.


Ela estava se fazendo de dificil.

Ela tinha a mesma tática dele.

E QUANDO VOCÊ SE FAZ DE DIFICIL, ETHAN?

EXATAMENTE POR ISSO ELA TEM A MINHA TÁTICA!

Então ele conhecia os passos. E sabia que era uma questão de nervos, Aileen. Quem andava mais à flor da pele, no fim das contas? Ele andava muito irritado, muito estressado com outras coisas. Mas “amiguinhas” para relaxar não faltavam. Ele inclusive viu uma há dois dias e teria sido  memorável, se ele ao menos lembrasse do rosto dela. Mas enfim.


- Claro...

Afastou-se para pegar a bolsa dela e esperou que ela retirasse o sapato dali. Ele abaixou a máscara e antes que ela dobrasse a perna, ele esticou braço.

- Permita-me...

Pegou o sapato das mãos dela e...

Se ajoelhou diante dela.

Tocou novamente na perna dela, mas nada que fosse abusado ou coisa do tipo. Apenas se sentisse que o corpo dela reagia de mais de uma maneira ao toque dele é que ele deixaria o contato por mais tempo. Colocou o sapato delicadamente.

Mas cuidado...

Não se trata de um príncipe.

Ele é o vilão e gosta disso. Começou a se levantar, mas o olhar dele se deteve na cicatriz do joelho dela. E ele parou ali por mais alguns segundos. Oras, ela estava de saia e uma breve visão das coxas dela não era algo que ele desperdiçaria.

Voltou a encará-la, ficando de pé.

- Sabe, Srtª Donnelly...

Deu um passo a frente, mas tinha parado de tocá-la.

- Eu realmente fui sincero quando disse que não gostaria de vê-la de novo como minha paciente. Mas isso não significa que eu não queira vê-la de novo.

Tirou de vez a mascara e juntou com as luvas.

- Talvez em outro momento e em outro lugar, mais interessante do que o meu consultório, nós  possamos continuar nossa conversa sincera.

Estendeu a mão para ela de novo, ajudando-a a descer. E depois de responder, ela estaria liberada.


Se quisesse ir...

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Convidado em Dom 05 Jul 2015, 21:35

- Sim, justamente...

Referia-se ao fato dele dizer que era um cara sincero. Ela também riu, e agora olhava para cima enquanto ele voltava a falar. Por mais perigosas que fossem as palavras de Ethan, Aileen apreciava escutá-las, não pela sensualidade explícita, algo que já era inerente a ele, mas sim pelo conteúdo. Embora falasse de um jeito casual, ainda assim Aileen se via diretamente tocada e alguma coisa ruía... Ilusões despedaçadas? Não... Confirmadas. Porque no fundo, ela sempre se prendeu a um conto de fadas que não existia... não para ela.

Por mais que você a trouxesse para o mundo real, Ethan, ainda havia uma linha tênue que a prendia...

E era por esta pessoa que Aileen jamais poderia negar a existência de finais felizes.

Voltou a encará-lo quando Ethan começou a contar uma lembrança.

- Aposto que esta seja mesmo uma vida melhor... Reunindo pedaços de felicidade. Quando chegar o fim, esses fragmentos vão te completar e você terá a certeza que deu certo, não é? Seria tão mais fácil agir assim, preocupando-se apenas consigo mesmo... - Aileen suspirou baixo e olhou para o teto de novo - Só que alguns hábitos são difíceis de abandonar...

Às vezes, impossíveis...

Ela não estava tentando te seduzir, doutor... mas vamos admitir... estava se deixando seduzir. Um momento, não?

Mas Aileen não se atreveria a ultrapassar o limite.

Soltou uma risada com a resposta bem-humorada e chegou a revirar os olhos de uma maneira malcriada.

- Isso seria um péssimo final para um conto de fadas, Ethan... Não seja cruel... - ela riu mais.

E não, doutor.

Sinto muito...

Você está errado.

Ou certo.

Depende do ponto de vista, sempre é assim.

Ângulos diferentes.

Aileen jamais se proclamou um anjo, pelo contrário.

As pessoas ao seu redor que lhe deram essa alcunha.

Por causa do jeito, da aparência, os olhos doces...

A maneira que cantava e tocava seu violino...

Anjo, demônio... tantas definições, só que costumavam esquecer da única real...

Aileen era uma mulher.

Por baixo da máscara?

Agora, sentada e com o rosto próximo, ela enxergou o fundo dos olhos dourados... e sorriu, mostrando que não temia ou estava sequer intimidade. Não mais.

Tire suas conclusões, Ethan. Seja como os outros.

Não será ela quem vai te renegar esse direito.

Esticou as mãos para pegar a bolsa e agradeceu. Deixou-a na maca e tirou a outra botinha de dentro dela e quando fez menção de colocá-la, Ethan se adiantou, e a pegou. Aileen arregalou os olhos, não disfarçando a surpresa ao vê-lo se ajoelhar e encaixar a bota ao seu pé, segurando delicadamente sua perna, como um príncipe faria...

Só que ela não esqueceu, por isso... sem risco dessa vez.

Príncipes encantados não existiam.

Percebeu que ele observava a cicatriz e isso sim a fez tremer, mas não de uma maneira apreciável, já que não era causada pelo toque.

Logo ele ficou de pé.

- Gostaria de me encontrar em outro lugar? Ah, puxa... - ela sorriu de canto - Por que não? Você é um ótimo ouvinte, Ethan, e acredite... não sou de falar muito. De qualquer forma, certamente ainda vamos nos esbarrar pelo campus...

Aileen aceitou a ajuda para descer e nossa... a sensação era estranha, mas também excelente. Os dois pés tocando o chão...

Maravilhoso.

Sentia-se mesmo livre de uma prisão.

Pegou a bolsa e a ajeitou no ombro, praticamente encerrando a consulta. Caminhou até a porta e estava com um sorriso largo.

- Olhe para mim, não estou mais mancando! - bateu palminhas, satisfeita.

Esperou que ele se aproximasse para novamente lhe estender a mão.

- Obrigada por tudo, Ethan... Muito obrigada mesmo... Pelo seu tempo, pela sua atenção e paciência. Agora, tenho que ir... Preciso fazer mais uma coisinha antes de ir embora. Aliás, vai ter aquela reunião mais tarde... Mas você já deve saber, não? Que situação horrível... e cruel.

Mas não demorou-se no assunto. Se ele tivesse alguma recomendação ainda, Aileen acenaria com a cabeça, dando a certeza também de que não agiria como uma versão não muito atlética do Indiana Jones.

Pronto, Ethan.

Missão cumprida.

Até mais ver, doutor...

Provavelmente na próxima edição da Gossip.

Convidado
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Good Morning, Doctor!

Mensagem  Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum